Com sede em Santo André, Rádio JHP (Jovens Haitianos Progressistas) fortalece laços com conterrâneos no Brasil

Português, Brasil

Memorial descritivo

1. Execução do Trabalho

A proposta de trabalho escolhida pelo nosso grupo foi a de conhecer a sede da Rádio JHP (Jovens Haitianos Progressistas) para entender sobre seu surgimento e desenvolvimento, registrando a atuação como web rádio. Está localizada na região de Utinga, em Santo André (SP). Entendemos que a presença de imigrantes haitianos na cidade possui um papel fundamental na compreensão da diversidade cultural da região.

Para que o trabalho fosse possível, dividimos o processo em algumas etapas. Em primeiro lugar foi realizado uma pesquisa ampla sobre dados de haitianos no Brasil. Em seguida, houve uma reunião dos integrantes do grupo com os profissionais na sede da rádio. Por fim, com a colaboração dos atuantes da rádio, selecionamos dados, construímos o produto audiovisual e montamos o memorial da execução da presente proposta.

Nosso intuito foi o de ampliar o envolvimento da comunidade haitiana da região de Santo André, para possibilitar maior compreensão de sua cultura, bem como suas maiores dificuldades em residir no Brasil, em São Paulo e em Santo André. Assim, abre-se margem para levantar demandas que esclareçam as necessidades de inserção da comunidade haitiana nestes locais.   

2. Dados obtidos com a visita à Rádio JHP e entrevista com o fundador Ryan Parker James Kristen Joyce

No dia 14 de setembro de 2017, o grupo esteve presente na Casa de Apoio ao Imigrante localizado na região de Utinga, na cidade de Santo André – SP, sede da Rádio JHP. Nesse encontro, pudemos presenciar a gravação de um programa da rádio apresentado pelo locutor Eudarsy Gustave, no qual foi possível registrar os bastidores em vídeo. Paralelamente, estava ocorrendo uma aula de Português ministrada pela freira Ana Maria Orlando para uma turma de haitianos.

Em seguida, neste mesmo dia, foi feito uma entrevista com o idealizador e fundador da JHP, Ryan Parker James Kristen Joyce, que explicou sobre a criação da rádio, a trajetória da mesma, suas principais dificuldades, além de abordar a situação dos haitianos do Brasil e aspectos mais gerais dos imigrantes em São Paulo.

Assista aos vídeos abaixo - o primeiro feito por alguns dos integrantes da Rádio JHP; e o segundo feito pelo grupo de alunos do Celacc retratando os bastidores da web rádio.

  • Rádio JHP (Jovens Haitianos Progressistas) fortalece vínculos com conterrâneos que estão no Brasil: 
     
  • Conhecendo a Rádio JHP (Jovens Haitianos Progressistas), porta-voz da comunidade haitiana no Brasil: 

3. Dados obtidos por meio de pesquisas

Durante pesquisas sobre a imigração de haitianos para o Brasil, foram encontradas informações relevantes que esclarecem aspectos desse assunto. Em tempos recentes, mais especificamente em 2010, houve uma onda migratória intensificada de haitianos para o Brasil. Este fato foi em decorrência do terremoto de alta turbulência que atingiu o Haiti naquele ano. Devido a magnitude da catástrofe, o Conselho Nacional de Imigração (CNIg) brasileiro, órgão vinculado ao Ministério do Trabalho, e o Departamento de Migrações do Ministério da Justiça, criaram uma Resolução Normativa - CNIg nº 97/2012, que disponibiliza visto permanente para haitianos por razões humanitárias. De acordo com informações oficiais do site da CNIg, o prazo para solicitação de vistos foi prorrogado até outubro de 2017.

Sobre a produção cultural de imigrantes haitianos em território do Brasil, podem-se citar as seguintes iniciativas: a Rádio JHP, objeto de trabalho da presente pesquisa; a proliferação de bandas autônomas espalhadas pelo país; aulas de idiomas ministrados por nativos como o crioulo, o francês, o português e o espanhol; o feito de comidas típicas distribuídas em feiras e restaurantes; e a mescla de profissionais envolvidos com essas manifestações, como fotógrafos, produtores audiovisuais, empresários, jornalistas etc.

Dentre as principais dificuldades encontradas pelos haitianos no Brasil, em geral, foi concentrado apontamentos ligados a quatro aspectos. O primeiro é a dificuldade de encontrar empregos, devido à xenofobia e ao idioma diversificado. O segundo é o entrosamento com os brasileiros, devido justamente ao idioma, com o qual estão em processo de ensino e aprendizado. O terceiro é referente a falta de verbas para custear projetos e ações que desenvolvam a inclusão da comunidade na região. 

4.Questionário respondido pela Prefeitura de Santo André

A Prefeitura da cidade de Santo André contribuiu com informações sobre a situação atual da comunidade haitiana residente nessa região. Jariza Rugiano, jornalista integrante do grupo, elaborou um questionário que foi respondido pelo órgão. Ao perguntar sobre a quantidade média de haitianos residentes atualmente nessa cidade, a Prefeitura respondeu que a estimativa é que tenha de 600 a 800 cidadãos haitianos no município, com referência ao censo realizado em 2015 pela Secretaria de Direitos Humanos e Cultura de Paz de Santo André. Outra informação obtida é a de que essa população se concentra principalmente na Vila Metalúrgica, região de Utinga.

Em seguida, foi levantada a questão da regularização de documentos desses novos cidadãos. A prefeitura respondeu que não há uma estimativa exata sobre essa informação. No entanto, acredita-se que a maioria se encontra regularizada, entretanto a maior reclamação que chega até a prefeitura é referente a dificuldade na validação de certificados profissionais.

Por fim, foi perguntado sobre o suporte de bem-estar social que é direcionado ao público haitiano do município, como educação, saúde, trabalhos e outros benefícios. O retorno foi de que a região possui a Casa de Apoio ao Imigrante, que se trata e um espaço cedido pela prefeitura, mas gerenciado pela sociedade civil. Há também o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) da região, que dentre suas funções, realiza o atendimento e acompanhamento das famílias em situação de vulnerabilidade social.

(Texto escrito por Beatriz Ladislau e editado por Jariza Rugiano)

Fontes

HIRSCHMANN, Taís. Conselho Nacional de Imigração prorroga prazo para visto de haitianos no Brasil, 2017. Disponível em:<http://trabalho.gov.br/noticias/4204-conselho-nacional-de-imigracao-prorroga-prazo-para-visto-de-haitianos-no-brasil>. Acesso em: 6 de out. 2017.

Entrevista realizada na sede da Rádio JHP, que fica na Casa de Apoio ao Imigrante, região Utinga, em Santo André (SP) no dia 14 de setembro de 2017.

Instituição: CELACC (Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Comunicação e Cultura)/ ECA-USP

Curso: Pós-graduação em Gestão de Projetos Culturais

Matéria: Teorias da Cultura

Profº Dr. Dennis de Oliveira

Integrantes: Beatriz Ladislau, Carina Murias, Jariza Rugiano, Paulo A. Ferreira Vitor e Suzana Eloyse Murrace.

Erro | CELACC USP

Erro

Ocorreu um erro inesperado no site. Por favor tente novamente mais tarde.